Culpa nos cuidadores – Descubra o que fazer com esse sentimento!

Facebooktwittergoogle_plus

Culpa!! Você se sente culpado pelo transtorno do seu familiar?

A culpa é um dos Sentimentos que os cuidadores mais vivenciam.  Culpa por medo de não ter sido uma boa mãe por exemplo, de ter errado na criação, de ter agido diferente com os filhos, de ter passado o transtorno para o familiar, etc.

Esses são apenas alguns exemplos do que pode levar os cuidadores a se sentirem culpados pelo transtorno de seu familiar.

Sim, logo no início quando se descobre o transtorno a culpa é muito grande, porém com o passar do tempo o cuidador e/ou familiar vai percebendo e entendendo que ele não tem culpa nenhuma pelo familiar ter esquizofrenia.

Alguns familiares se culpam por não ter enxergado mais cedo que seu familiar tinha alguma coisa “diferente”.

Outros se culpam por acreditar que alguma vivência sua possa ter influenciando no surgimento do transtorno do seu familiar.

Culpam-se pois pensam: “ Será que eu poderia ter evitado?  Será que se eu estivesse mais presente isso não teria acontecido”?

Essas e muitas outras dúvidas estão na cabeça e no coração de muitos cuidadores de pessoas que têm esquizofrenia.

Como eu disse no começo do transtorno é mais comum esse sentimento de culpa, entretanto, ao começar a entender o transtorno e saber que ele é de origem genética, ir aprendendo a lidar com familiar esse sentimento de culpa vai diminuindo.

Claro que em alguns momentos pode bater de novo a “tal culpa”, O que é normal visto todas as dificuldades, frustrações e vivências que quem convive com a esquizofrenia passa.

O que fazer com esse sentimento de culpa?

  1. O primeiro passo é ler e se informar muito sobre o transtorno. Somente através dá informação as questões vão se encaixando.  É fundamental entender e aprender a como agir como a pessoa que tem esquizofrenia.  Entender o que eles vivenciam, aprender a respeitar os momentos ruins deles.  Ir aos poucos aprendendo a lidar e conviver com esse novo familiar.
  2. O cuidador precisa entender que o transtorno da esquizofrenia é de origem genética, dessa forma não é culpa de ninguém ter o transtorno. Lembrando que essa genética pode vir de parentes distantes.
  3. Sabemos o que o cuidador faz e o quanto luta pelo bem estar do seu familiar, lembre -se sempre disso quando essa culpa surgir, pois você faz o impossível pelo seu familiar. O que mais poderia fazer?
  4. Procure participar de grupos. Os grupos fortalecem o cuidador proporcionam trocas entre os participantes, acolhimento e apoio para quem sofre.  Através do grupo você vai entendendo e aprendendo cada vez mais sobre o transtorno. Também percebe que realmente não existem culpados nesse caso.
  5. Faça terapia individual.  Na terapia você terá um momento só seu, onde poderá colocar suas angústias e frustrações, sem medo de julgamentos. Na terapia você poderá trabalhar este sentimento de culpa e dar um novo significado a ele.  Lembre-se terapia não é frescura, é uma necessidade da mente!
  6. Cuide de você. Eu sempre faço a seguinte pergunta para os cuidadores:  como você vai ajudar o seu familiar, ou qualquer outra pessoa, se você não estiver bem, psicológica e fisicamente?  Impossível não é?  Por isso cuide de você.  Tenha seus momentos de lazer, de descanso. Permita-se, pois essa é a melhor maneira de poder ajudar o seu familiar, estando bem consigo mesmo e preparado para ajudá-lo da melhor forma possível.

Lembre-se….

Essas dicas não são milagres.  Também nada acontece de repente, rápido.  Tudo leva um tempo, mas pode ter certeza que acontece!

O importante é você informar se cada vez mais sobre o transtorno e nunca esquecer de cuidar de si mesmo, pois dessa forma estará mais fortalecido para ajudar o seu familiar.

Não esqueça que ninguém pode dar o que não tem e se você não estiver bem, sobrecarregado, sofrendo, como irá ajudar o seu ente querido?

Lembre-se sempre disso: eu preciso estar bem, me cuidar para poder ajudar o outro e mande a culpa embora!!

Abraço,

Psicóloga Daniela da Silva

Amar a si mesmo!!

 

Comentários

Comentários