Esquizofrenia e o primeiro passo para ajudar João

Facebooktwittergoogle_plus

Na escola, os professores estão fazendo o que podem para ajudar João*, pois perceberam que ele não estava bem. Conversaram com os colegas dele para lhe apoiarem, entender que ele estava passando por problemas.

A orientadora conversa bastante com João e percebe que ele anda muito confuso, com ideias estranhas, medos, muito assustado, com reclamações incoerentes. Então, a escola decide chamar novamente a mãe de João para conversar, pois talvez fosse mais fácil falar com ela sozinha.

A mãe de João chora muito e diz que não sabe como ajudar o filho, pedindo ajuda. A orientadora aconselha Maria* a buscar um psiquiatra para o filho, pois está precisando muito de auxílio médico.

Maria diz que ela até aceita buscar o médico, pois vê o filho mal, porém o problema é seu esposo. Elas combinam de conversar mais uma vez com seu Pedro* para tentar explicar o caso e orienta que Maria vá conversando com o esposo e os filhos.

Chegando em casa, ela fala com seus filhos e explica o que ouviu na escola pedindo ajuda. Julia* (10 anos) concorda que o irmão não está bem, já Marcos* (18 anos) não acredita muito no que a mãe conta, pois pensa que João é folgado, preguiçoso e não tem nada, mas vendo o desespero da mãe, decide ajudar a falar com o pai.

Mãe e filhos conversam com seu Pedro para buscarem ajuda. No início ele se recusa e volta a repetir que seu filho não é louco. Mas, eles convencem o pai a ouvir a opinião do médico e tirarem as dúvidas se João “se faz” ou tem algo mesmo.

O primeiro passo rumo ao conhecimento e ajuda foi dado após 9 meses de muita bagunça e brigas na família. Os pais vão ao médico sozinhos, pois João negou-se a ir.

A busca por ajuda

O Dr. Alberto* tem muita calma e paciência para ouvir Pedro e Maria. Percebe que eles estão com muitas dúvidas e que o pai é mais resistente ao assunto. Com atenção explica que realmente parece que João está precisando de ajuda, mas que precisa ver ele pessoalmente para saber como ajudá-lo melhor.

O psiquiatra orienta os pais sobre como devem agir com o filho e como levá-lo para consulta. Após ouvir o Doutor o pai parece menos resistente e quer ajudar o filho, por isso concorda com o tratamento.

Em casa, os pais conversam com os filhos e pedem paciência com o irmão, explicam o que o psiquiatra disse e que precisam ajudar João.

A família se reúne para conversar com João. Julia, com quem Pedro conversa um pouco mais, garante ao irmão que estará com ele, que eles querem ajudá-lo e a mãe também pede que o filho os escute e vá ao médico. O pai e o irmão, que eram mais rígidos, estão mais abertos, calmos e apoiam João. Mesmo com muito medo, João decide ir ao médico com a mãe e a irmã, pois não aguenta mais…

Quais serão os próximos passos na vida de João?

Ele realmente vai seguir o tratamento? E a família, vai colaborar?

Descubra na próxima semana!!

 

*Os nomes dos personagens são fictícios.

Beijos e até logo!!

Daniela

Comentários

Comentários