Esquizofrenia = abandono de amigos e familia

Facebooktwittergoogle_plus
Onde foram parar os amigos? Família?

Onde foram parar os amigos? Família?

Afastamento dos familiares e amigos após descoberta da esquizofrenia

Familiares ou cuidadores de pessoas que tem esquizofrenia sofrem bastante, correto?

Não são somente os cuidados com o familiar. Não é somente a doença.

Mas, sim o descaso da sociedade, governo, as dificuldades para se conseguir as medicações. Médicos nem sempre preparados para lidar com esse transtorno.

E como se não bastasse todas essas limitações, ainda vivem na pele o abandono. Seus filhos que antes tinham amigos, que iam para festas, onde estão esses amigos agora???

Puft!! Desapareceram!! Nem para dar um oi, saber como vai, se podem ajudar em algo. Uma visita apenas!! Algumas pessoas se oferecem, dizem estar dispostas para quando for preciso, mas percebe-se que falam isso por educação, pois evitam o contato, não perguntam sobre o assunto e o familiar sente quando algo é dito de coração e não né pessoal!!

Familiares que excluem totalmente a família. Festas? Aniversários? Comemorações? Não são mais convidados para esses eventos, pois eles têm vergonha, medo do que a pessoa que tem esquizofrenia pode fazer, brigar com alguém, passar vergonha perante outras pessoas,, por exemplo.

Enquanto isso são os cuidadores que seguram toda essa barra! Morrendo por dentro por ver a discriminação com seu familiar. Sangrando por dentro, mas ali, firmes e fortes!

Dor imensa em ver o semblante do familiar triste, isolado sentimentos de impotência.

Nesse sentido os grupos de Psicoeducação auxiliam muito nessas situações. Eles estão lá para ouvir os familiares, para orientá-los, trocar experiências.

Fundamental também os grupos para a pessoa que tem esquizofrenia, pois lá eles começam a se sentir parte da sociedade novamente. Fazem amigos, se sentem úteis, não precisam ter vergonha ou medo da reação das pessoas a sua volta.

Grupos para familiares e pessoas com transtorno mental são de extrema importância para evolução do tratamento, através deles muitos comportamentos podem ser modificados, sejam do paciente ou do cuidador.

Beijos e até logo!

Daniela

Comentários

Comentários