Psicoeducação: Prós e Contras na visão dos cuidadores

Facebooktwittergoogle_plus

 

Psicoeducação.

Psicoeducação.

Quais os motivos que podem levar os cuidadores e/ou familiares a não participar de grupos de Psicoeducação?

Os motivos podem ser diversos e por diferentes causas, vamos conhecer algumas hipóteses:

  1. O cuidador utiliza o tempo que seu familiar está em grupos ou CAPS ou alguma outra atividade, para “espairecer”, para dar uma volta, descansar. E tudo bem, tem que fazer isso mesmo! Entretanto, participar de grupos é muito bom para você e seu familiar, ajuda por exemplo: no conhecimento do transtorno, nos desabafos, nas discussões de estratégias;
  2. O cuidador precisa trabalhar para sustentar a família e por isso não consegue participar dos grupos. Quando é apenas o cuidador e um familiar, às vezes não é possível parar de trabalhar, sendo assim o tempo para si mesmos e para outras atividades fica limitado ou em segundo plano;
  3. Talvez o cuidador ainda não tenha aceitado realmente a esquizofrenia de seu familiar e se frequentar grupos, falar do assunto estará admitindo o transtorno. Ou quem sabe ainda não esteja preparado e nem seja seu momento…
  4. O cuidador não confia em deixar seu familiar sozinho ou com outra pessoa. Pode ser que seu familiar que tem esquizofrenia ainda não esteja estabilizado e se recuse a sair, o que o impede de outras atividades, como participar de grupos;
  5. Pode ser também que os cuidadores não saibam, não conheçam os benefícios dos grupos de Psicoeducação e pensem que isso seja perda de tempo?

Seja qual for o motivo, sei que cada um tem suas atividades e tarefas pessoais, porém é fundamental que os cuidadores e /ou familiares reflitam sobre o assunto e a possibilidade de participar dos grupos.

E se falarmos dos benefícios que o cuidador/familiar terá com a Psicoeducação?

  1. Os grupos de Psicoeducação existem para auxiliar os familiares, dar um “colinho” na hora da dor, orientar e esclarecer dúvidas;
  2. Nos grupos as dores são iguais. Cada caso tem suas particularidades, mas as semelhanças no sofrimento, no transtorno, são as mesmas e as experiências auxiliam os participantes;
  3. Momentos de apoio, trocas de vivências, conhecimento;
  4. Os cuidadores aprendem a como podem lidar melhor com a esquizofrenia. Aprendem a aceitação, a não se culpar pelo transtorno. Aprendem que é preciso seguir em frente.
  5. Através dos grupos Psicoeducacionais os cuidadores percebem que seu familiar ainda pode fazer muitas coisas, com algumas limitações, mas pode! Que ele vai estabilizar e a vida recomeça seu caminho;
  6. O objetivo dos grupos é que todos participantes possam evoluir e reaprender a viver!

Beijos e até logo!

Daniela

familia esquizo

Comentários

Comentários