Surto – O que fazer e não fazer no surto do familiar?

Facebooktwittergoogle_plus

A hora da crise, do surto é um momento muito complexo. Momentos de dor e sofrimento, tanto para paciente quanto para os familiares.

Nessa hora muito perguntam o que fazer? O que não fazer?

Alguns familiares já convivem com a esquizofrenia e sabem como agir nesse momento, outros estão recém tomando conhecimento do que é o transtorno, fazendo descobertas sobre a esquizofrenia. Cuidadores que encontram-se perdidos, sem saber qual a melhor maneira de agir.

De qualquer maneira sabemos que o melhor para aprender sobre como conviver com a esquizofrenia é a Psicoeducação. É o conhecimento do transtorno que ensina a lidar, a entender o familiar e o que ele tem.

O que NÃO fazer na hora do SURTO do meu familiar?

  • Gritar! Nunca grite com quem tem esquizofrenia, ainda mais em um surto. Gritar com seu familiar em um surto pode aumentar a crise dele e provocar comportamentos violentos por parte do seu familiar, pois para ele pode representar uma ameaça (pelas vozes). O ideal é sempre falar de forma calma e tom baixo;
  • Não fique olhando nos olhos da pessoa em surto! Lembre-se que nessa hora o seu familiar está fora de si e caso ele esteja vendo algo, o olhar pode lhe intimidar, parecendo ameaçador. Dessa forma ele pode reagir com medo de ser atacado;
  • Nunca toque a pessoa em surto! Pelo mesmo motivo acima, o toque pode ser percebido como um ataque a pessoa. Como meio de defesa ela pode agredir, fugir ou se isolar ainda mais;
  • Nunca dê as costas para pessoa em surto! Nesse momento ela pode agredir, pois não sabemos quais pensamentos estão passando pela cabeça dela. É preciso tomar cuidado em momentos de surto, pois seu familiar não é ele mesmo, está fora de si.

Todos esses comportamentos devem ser evitados pelo familiar e podem ocorrer no paciente devido as alucinações ou delírios. Por isso, lembre-se que não é culpa do familiar, ou ainda que ele não os faz de propósito, é incontrolável, são sintomas do transtorno.

E após as crises é comum algumas pessoas esquecerem algo que fizeram, não é por querer ou malandragem, entende?

Isso pode acontecer pois na hora do surto é como se eles estivessem desconectados da realidade, “apagam”. Possivelmente devido à crise, que afeta todo sistema da pessoa, como a memória, a qual é afetada.

O que FAZER na hora do SURTO do familiar?

  • Procure se manter-se calmo (a). Controle seu tom de voz, poucos movimentos. Mantenha uma distância da pessoa (evitando toque, olhar focado);
  • Peça que a pessoa fique calma, proponha que ela se sente e que você irá fazer o mesmo. Procure acalmá-lo aos poucos para poder ajudá-lo;
  • Mostre-se disponível e que quer ajudá-lo. Que entende o que ele está passando que está ao seu lado;
  • Se houver risco de agressão mantenha-se longe, se possível com outra pessoa que possa lhe ajudar. Retirar objetos que levem perigo também é indicado;
  • Caso esteja difícil a pessoa se acalmar, esteja agressiva, correndo risco ou colocando outras pessoas em risco, o melhor é chamar ajuda profissional, como a SAMU, por exemplo. Não hesite em chamar ajuda, nesses casos uma contenção ou até internação é indicado e útil, para o bem estar do seu familiar e todos envolvidos.

Essas são algumas dicas que podem ajudar muito os familiares a entender o que se pode e não se deve fazer na hora de um surto.

Lembrando sempre que cada caso é único, devendo ser avaliado, mas acredite, essas pequenas dicas auxiliam muito e já salvaram pessoas.

Caso você tenha dúvidas, sempre converse com o psiquiatra responsável pelo seu familiar. Você não deve ficar com vergonha ou medo, é seu direito estar informado sobre seu familiar para que possa ajudá-lo melhor.

O conhecimento é a melhor maneira  que você tem para ajudar o seu familiar, tanto no surto quanto em outros momentos. Para entender o que acontece com ele, para aprender a como conviver com ele e a esquizofrenia.

Abraço e até logo!

Psicóloga Daniela da Silva

Comentários

Comentários